Nome da
Editorial

Edição 30 - Ano VI - Julho/Agosto 2010 - ISSN 1809-2888
30º edição da Revista Ciberteologia
01/07/2010

Esta 30ª edição de Ciberteologia comemora o quinto ano de nossa revista de teologia e cultura. Ao longo desses anos, seis números anuais, inicialmente bilíngues e, a partir de 2010, trilíngues (português-inglês-espanhol), ofereceram ao ciberleitor uma cuidadosa seleção de artigos, notas e resenhas, além de seções ocasionais de literatura, Bíblia e espiritualidade. Foram nada menos que 300 mil acessos, com algo em torno de 1 milhão e 200 mil páginas visitadas.

Mas comemorar aqui é sinônimo de oferta de bons artigos para estudo e pesquisa. Por isso, aí vão os presentes desta edição.

Abrimos com a seção ARTIGOS, encabeçada por Getúlio Antônio Bertelli, que nos oferece a reflexão sobre A espiritualidade dos salmos na obra de Alonso Schökel. Em seguida, antecipamos o texto que José María Vigil preparou para debater no 23o Congresso Internacional da Soter (PUC Minas, 12 a 15/7) e que se intitula Novos “lugares teológicos” para a Teologia do Pluralismo Religioso. A contribuição de Afonso M. Ligorio Soares, O valor teológico do sincretismo numa perspectiva de teologia pluralista, é seguida do texto de Francisco de Aquino Júnior, A dimensão social da fé.

Três pequenas joias ilustram a seção NOTAS, todas provindas da área da Filosofia: Por que a admiração?, do Prof. Dr. Jayme Paviani; Por que a paz?, um trabalho orientado pelo Prof. Dr. Paulo César Nodari, da Universidade de Caxias do Sul; e Por que o pensamento?, de Décio Osmar Bombassaro.

Na seção LITERATURA, a reflexão Por que a literatura?, da Dr.a Flávia Brocchetto Ramos, traça conexões entre literatura, filosofia e educação.

Além disso, fique atento às resenhas, notícias e ao novo livro digital da Soter, com os anais de seu 23o Congresso.

Boas ciberleituras!

  • Artigos
    01/08/2010

    O presente trabalho é apenas um ensaio sobre a imensa e inesgotável fonte dos salmos. Deles brotam as espiritualidades judaica e cristã. Eles são ensino do próprio Deus (“Torá”). São fonte de liberdade e humanidade.

    01/08/2010

    Este artigo mostra que a Teologia do Pluralismo Religioso (TPR) e o Diálogo Inter-Religioso (DIR) são postos em relação com muita frequência. Há quem, de fato, confunda os dois temas, e os cite de modo equivocado um pelo outro.

    01/08/2010

    Este artigo pretende defender, da maneira mais esquemática possível, o valor teológico do sincretismo religioso, inserindo-o na dinâmica divino-humana da revelação. Em forma de pequenas teses, procurarei sugerir às leitoras e leitores que o sincretismo é a revelação de D’us em ato, pois não há outro jeito de acedermos ao mistério senão paulatinamente, de forma fragmentada, entre avanços e retrocessos, luzes e penumbra.

    01/08/2010

    O artigo apresenta que a vida humana é uma realidade intrinsecamente social. Só existe socialmente. Não existe vida humana a-social, no sentido de que não seja social ou no sentido de que, embora sendo assim de fato, não tenha que ser necessariamente assim. O ser humano não é uma realidade meramente individual que, por uma ou por outra razão, acaba se relacionando com os outros.

  • Resenha
    01/08/2010

    SOTER (Org.). Religiões e paz mundial. São Paulo: Paulinas, 2010.

    01/08/2010

    PASSOS, João Décio. Teologia e outros saberes. Uma introdução ao pensamento teológico. São Paulo: Paulinas, 2010. 208 p. (Coleção Teologia na universidade.)

    01/08/2010

    SOARES, Afonso Maria Ligorio; PASSOS, João Décio (org.). Teologia e direito. O mandamento do amor e a meta da justiça. São Paulo: Paulinas, 2010. 248 p. (Coleção Teologia na universidade.)

  • Notas
    01/08/2010

    O jesuíta egípcio mais destacado nos âmbitos eclesial e intelectual, Henri Boulad, lança um SOS para a Igreja de hoje em uma carta dirigida a Bento XVI. A carta foi transmitida através da Nunciatura no Cairo.

    01/08/2010

    O que é a admiração? Por que a admiração? Como explicar a perda da capacidade de se admirar? Essas perguntas formuladas desde os primeiros filósofos gregos até os dias de hoje recebem diferentes respostas.

    01/08/2010

    Por que a paz se constitui numa questão urgente e emergente em nossa sociedade? Por que a paz é tema recorrente em campanhas publicitárias? Por que a paz não pode ser só um slogan publicitário? Por que ela não pode ser definida simplesmente como ausência de guerras?

    01/08/2010

    A maioria das crianças passa, em maior ou menor grau, pela fase do por quê? Por exemplo: por que é preciso realizar aquela tarefa? Por que as coisas acontecem?

    01/08/2010

    Escrever um texto que discorra sobre o porquê da literatura é um desafio e, ao mesmo tempo, um convite que não pode ser recusado, já que as oportunidades de discorrer sobre a palavra simbólica na vida dos seres humanos são escassas e não podem ser desperdiçadas.