EDITORIAL

Ciberteologia chega, neste seu 8º ano de existência, à edição nº 40. Estamos todos de parabéns, principalmente nossos ciberleitores, que seguem nos acompanhando com mais de cinco mil visitas mensais a nossas páginas.

Nesta edição, a seção ARTIGOS oferece quatro trabalhos inéditos. Em Max Weber e o ethos do Neopentecostalismo. Uma análise do Neopentecostalismo a partir da ética protestante e o espírito do capitalismo, Nilson da Silva Júnior pretende evidenciar que o ethos do capitalismo, alinhado por Max Weber no clássico A ética protestante e o espírito do capitalismo, é o mesmo observado no movimento religioso contemporâneo denominado Neopentecostalismo. Através de uma análise dos apontamentos elencados pelo autor, ele trabalha a similaridade dos princípios fundamentais de ambos os momentos sociais. Através da descrição de suas conclusões contrapostas às análises da sociologia da religião e da teologia contemporâneas, ele chega à conclusão de que o ethos de um e de outro evento é, guardadas as devidas proporções sociais, históricas e teológicas, o mesmo.

Em seguida, em Desafios para um novo anúncio do reino de Deus, Mina Solange, ciente de que vivemos em novos tempos, tecnológica, cientifica, moral e eticamente falando, afirma que um “anúncio novo”, mais que um “novo anúncio” do Reino de Deus, se torna exigente. Um anúncio vivo, atraente e condizente com todas as inquietudes humanas. “Novo” não em seu conteúdo, mas em seu método, em sua linguagem, e em sua hermenêutica. Anúncio que venha de encontro ao arrefecimento da fé, à tibieza espiritual, ao comodismo social, assumindo toda essa nova realidade, abrindo novas possibilidades, resgatando a esperança. Um anúncio para o hoje, centrado na história, na práxis, na vida de Jesus de Nazaré e sua Boa Nova ao homem todo e a todos os homens.

Já Maristela Patrícia de Assis, em A religião, suas funções e sua plausibilidade na pósmodernidade, analisa a religião, suas funções sociais e suas inter-relações com os demais setores da sociedade. As religiões estão em interação histórica e dialética com as outras esferas e subsistemas da sociedade, transformando e sofrendo transformações. As transformações ocorridas no campo religioso são inquestionáveis, mesmo em uma sociedade globalizada, e tais transformações não foram suficientes para propor o fim da religião. Fechando a seção, Afonso Maria Ligorio Soares, em De volta ao misterium iniquitatis: introito, oferece o texto que será a introdução da versão em livro de sua tese original de livre-docência, que versou sobre o tema do mal e do sofrimento, estabelecendo um diálogo entre a teologia europeia contemporânea e a teologia da libertação latino-americana. O texto aqui publicado explica o contexto e os pressupostos da escolha do tema do mal, esclarece a provocação da teologia europeia que está na origem do trabalho, insiste para que não se criem falsas expectativas de solução do problema, calibra o enfoque e a terminologia e adianta a divisão capitular e a confissão das preferências do articulista.

A seção Notas abre-se com a colaboração de Gyorgy Henyei Neto, Os Sete e os outros, um estudo sobre a interpretação de símbolos religiosos de uma obra de ficção-fantasia intitulada As crônicas de gelo e fogo, de George R. R. Martin. A partir de leituras dos dois primeiros volumes da obra e de outras obras oferecidas na disciplina Literatura e Religião, ministrada no Programa de pós-graduação em Ciências da Religião da PUC-SP pelo prof. Dr. Afonso Soares, o autor pretende analisar a obra em duas vertentes: primeiramente, descreverse-á a posição social e cultural do universo fantasioso de Westeros e como as diferentes religiões desse mundo são formadas, suas origens em outras regiões e como se relacionam entre si e com as construções políticas vigentes na época do final do segundo volume da obra. Em segundo lugar, será produzida uma análise literária e acadêmica, tanto da obra em si quanto das simbologias criadas por ela, análise baseada na obra e na teoria de Alfonso López Quintás e de Gabriel Perissé. Tal interpretação valer-se-á das teorias citadas para aferir e contemplar posições, pensamentos e verdades que se tenta apresentar através da obra de fantasia.

A Nota seguinte transcreve a Breve laudatio in honorem a padre João Batista Libanio, pronunciada por Edward Neves Guimarães, na homenagem feita a este insigne teólogo por ocasião de seu 80º aniversário, no último Congresso da Soter (julho 2012, PUC Minas), ele que foi o primeiro presidente da Soter. Encerra a seção o comentário de Claudio Santana Pimentel e Samuel Pereira Valério sobre o livro de Alain De Botton, Religião para ateus. O subtítulo do trabalho por eles oferecido é: “uma educação religiosa para os tempos atuais?”.

Além destes textos, teremos também, na seção Teologia Aberta a última parte da reflexão de Hermilo Eduardo Pretto, intitulada A palavra que testemunha Deus. Na seção Artes & Literatura apresentamos mais uma resenha cinematográfica de Manoela Monteiro. E na seção Espiritualidade, promovemos a estreia de Pe. Alfredo José Gonçalves, CS com três saborosos poemas/crônicas sapienciais.

Esperamos que a pluralidade de vieses seja uma instigante ajuda a nosso estudo e reflexão neste final de ano. Boas leituras!

Dr. Afonso Maria Ligorio Soares (Editor)

EDIÇÕES ANTERIORES