Nome da
Editorial

Edição 21 - Ano V - Janeiro/Fevereiro 2009 - ISSN 1809-2888
Edição 21 de Ciberteologia no ar!
01/01/2009

Chegamos a 2009 e com ele à 21ª edição de Ciberteologia. Fiéis a nosso projeto original só podemos prometer a nossos ciberleitores de continuar reunindo bimestralmente uma cuidadosa seleção de textos de autores representativos da área de teologia e ciências da religião, além de comunicações científicas inéditas dessas áreas e suas afins. Temos procurado dosar em nossos números a indispensável publicação de textos inéditos com a oferta de trabalhos significativos que, embora já publicados anteriormente no formato livro, são de difícil acesso a estudantes e pesquisadores da área.

Neste ano também ofereceremos novos trabalhos na seção Livros Digitais. Por enquanto, encontra-se disponível para livre acesso o livro com os originais do 21º Congresso Anual da Soter (2008). Baixe-o em seu computador ou CD, leia e divulgue em suas faculdades e grupos de pesquisa.

Quanto às seções de Artigos e Comunicação, abre a primeira o texto de Joel Antônio Ferreira, A oração libertadora em tempo de perseguição, que nos propõe o livro do Apocalipse como fruto de grupos de resistentes de fé que procuram interpretar os momentos, anunciando a presença viva do Ressuscitado e trazendo esperanças a toda a Igreja perseguida (João) de que aqueles momentos passarão. Foi nas orações feitas nas comunidades que os cristãos buscaram a força para a resistência.

Em Perspectivas de plausibilidade da religião na pós-modernidade aplicadas à realidade brasileira, Jeová Rodrigues dos Santos aborda a questão da plausibilidade da religião numa sociedade pós-moderna, à luz da sociologia da religião e aponta as contribuições que esta perspectiva traz para a pesquisa e a compreensão do momento de efervescência religiosa vivenciado em solo brasileiro nas últimas décadas.

Sob fogo cruzado, de Maristela Patrícia de Assis, é uma análise de Gl 5,1-14, como resposta de Paulo aos verdadeiros inimigos dos gálatas, considerando-se o contexto social e político vivido na Galácia da época. O foco da discussão se estabelece na forma de antítese: a justificação pela fé em Cristo ou a lei concentrada na circuncisão.

Tecendo alguns aspectos identitários e psicológicos do fundamentalismo é uma reflexão de Genivalda Araujo Cravo dos Santos feita a partir de alguns casos exemplares. Surgem daí algumas características históricas e sociológicas desses aspectos e possíveis correlações entre os diversos tipos de fundamentalismos.

Por fim, em A diferença fabricada: um estudo sobre o processo de romanização em Goiás, Eduardo Gusmão de Quadros faz uma análise de tal processo, partindo da autobiografia do bispo dom Eduardo Duarte Silva (1890-1907), dedicando-se, particularmente, à análise das estratégias elaboradas em seu episcopado para expurgar do catolicismo os elementos que rotulava como “pagãos”, “rústicos” e “selvagens”.

Na seção de Comunicação, trazemos duas colaborações. Em As sete tarefas ecológicas das religiões, padre Marcial Maçaneiro convida as lideranças religiosas a interpretarem a condição humana no quadro da vida planetária; desenvolverem a consciência ecológica de seus seguidores; participarem da elaboração de uma epistemologia ambiental; promoverem a ética ecológica pessoal, comunitária e global; dialogarem em conjunto sobre questões ecológicas; atuarem em conjunto em causas ecológicas; e ajudarem a reencantar a natureza.

Gilberto Orácio de Aguiar comunica-nos os resultados parciais de sua pesquisa Mulheres negras da montanha: as benzedeiras de Rio de Contas, Bahia, na recuperação da saúde. Ele pretende demonstrar a repercussão social da prática da benzedura ligada às questões de tradição, memória e identidade afro-brasileira no contexto daquela localidade baiana.

A seção de Resenhas traz a apreciação crítica de Antonio Carlos Ribeiro sobre uma obra do teólogo Jürgen Moltmann recentemente publicada no Brasil: Vida, esperança e justiça: um testamento teológico para a América Latina.

E, mais uma vez, recordamos a pesquisadores e autores com escritos originais afins a nosso projeto editorial que podem nos enviar seus trabalhos (artigos, notas, resenhas), desde que atendam nossas normas de publicação (enviar para: ciberteologia@paulinas.com.br). Aproveitamos para agradecer aos articulistas desta edição por sua importante participação em nosso projeto.

É sua, portanto, a primeira edição de Ciberteologia deste ano novo. Aproveite-a com nossos melhores votos de um feliz 2009.

Uma boa leitura e frutíferas pesquisas a todos!