EDITORIAL

Esta 38ª edição de Ciberteologia: Revista de Teologia & Cultura sai a público em período que os cristãos dedicamos à celebração pascal. E de maneira especial quer homenagear o teólogo Padre José Comblin, falecido há um ano, com 88 primaveras, na manhã dominical do dia 27 de março. Estava no interior da Bahia, ministrando um curso para comunidades de base. Segundo testemunhou na época o Padre José Oscar Beozzo, Padre Comblin levantou-se cedo, tomou banho, aprontou-se, mas não apareceu para a oração da manhã. “Perdemos um mestre e um guia inquieto e exigente como os velhos profetas, denunciando sempre nossas incoerências na fidelidade aos preferidos de Deus: o pobre, o órfão, a viúva, o estrangeiro. Trabalhou por uma Igreja profética a serviço destes últimos nas nossas sociedades” – lamentou padre Beozzo.

Nascido em Bruxelas, na Bélgica, em 1923, Comblin foi ordenado padre em 1947. Fez doutorado em teologia pela Universidade Católica de Louvaina e chegou ao Brasil em 1958. Em Recife, a convite de Dom Helder Câmara, foi professor no Instituto de Teologia do Recife. Expulso do Brasil em 1971 pelo regime militar, Padre Comblin exilou-se no Chile durante oito anos, de onde também foi expulso em 1980 pelo general Pinochet. Voltando ao Brasil, foi morar na Paraíba, em Serra Redonda. Estudioso da Igreja da América Latina, escreveu obras como a “Teologia da Enxada”, uma corrente teológica surgida em 1969 na Igreja Católica do Nordeste do Brasil que tem como base a reflexão a partir da vivência cristã e teológica nas comunidades pobres. Seu corpo foi velado em Salvador, e de acordo com vontade manifestada aos amigos, Padre Comblin foi sepultado no Santuário do Padre Ibiapina, localizado em Santa Fé, povoado que faz parte do município de Solânea, na Paraíba.

Em sua homenagem, Ciberteologia publica 2 artigos sobre seu pensamento, ambos da teóloga Alzirinha Souza: Teologia da Enxada: Evangelização inculturada e inculturante e A ação transformadora: Chave de aproximação entre José Comblin e Henri Bourgeois. O primeiro artigo apresenta a experiência de formação realizada no Nordeste Brasileiro, pelo Padre José Comblin, em conjunto com a equipe de formação do ITER – Recife, no período de 1969 – 1971, que ficou conhecida como a Teologia da Enxada, por ter sido realizada junto aos agricultores do semi-árido nordestino que ao contrário dos grandes proprietários que possuem máquinas e equipamentos, tem em geral somente este instrumento para o trabalho na lavoura. A autora trata desse tema na perspectiva da história, do método e da inovação na pedagogia missionária. No segundo artigo, a autora apresenta a categoria da ação transformadora como o ponto de aproximação entre a Teologia Francesa, atráves do pensamento de Henri Bourgeois, e a Teologia Latino Americana da Libertação através do pensamento de José Comblin. Em tempos de aparente inércia da prática libertadora, esse artigo vem mostrar que independente do contexto em que se encontram (Europeu e Latino Americano) a Teologia tem um papel que lhe é próprio: impulsionar os atores sociais a assumirem sua responsabilidade e ação no processo transformador da história.

Merece ainda destaque o Artigo de Maria Teresa Moreira Rodrigues, Os Exercícios Espirituais de Loyola e a psicanálise. Limites: prazer e realidade dentro da dimensão espiritual, em que a autora, que é psicanalista e acompanhante espiritual dos que se propõem a fazer os Exercícios Espirituais (EE) de Inácio de Loyola, tenta comunicar neste texto as coincidências e a complementaridade entre a proposta de Freud e a de Loyola. Afirma que a familiaridade com a psicanálise lhe permitiu perceber que os EE operam não apenas um processo emocional de autodescoberta, mas também um processo espiritual. Como psicanalista, ela pode apreender a tensão psíquica que subjaz aos EE, e que remete o exercitante não só a uma busca da vontade divina para sua vida, mas também a uma busca de si mesmo.

Fecha a seção de Artigos o texto Teologia Pública: entre a construção e a possibilidade prática de um discurso, de Alonso Gonçalves, que tem como objetivo conceituar o termo Teologia Pública, fazendo um breve levantamento de algumas abordagens e experiências. Além destes, o leitor poderá ainda desfrutar das seções Notas, Artes & Literatura e RESENHA.

Bom proveito e uma Feliz Páscoa a todos!!!

Afonso M. L. Soares Redator-geral

EDIÇÕES ANTERIORES