EDITORIAL

Esta 35ª edição de Ciberteologia é um número especial. Anualmente, o Regional Centro-Oeste da Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (Soter) realiza em Goiânia, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), o seu já tradicional Seminário de Estudos, sempre em consonância com a temática do Congresso da Soter Nacional. Em 2010 não foi diferente. Foi a sétima ocorrência do evento, que ocorreu nos dias 22 e 23 de abril, e contou com a participação de estudantes e pesquisadores(as), além da presença e apoio do então presidente da Soter Nacional, o Prof. Livre-Docente Afonso Maria Ligorio Soares, do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião da PUC-SP.

A Soter, em âmbito nacional, tem contribuído e tem sido um espaço de construção do saber teológico voltado para o acolhimento, a valorização e o reconhecimento das várias experiências do campo religioso brasileiro. E, por intermédio das presidências anteriores, não tem poupado esforços para colocar o debate teológico e das ciências da religião na pauta das discussões acadêmicas regionais, nacional e internacional. A Soter tem continuamente buscado novos enfoques e novos modos para falar e apresentar o Totalmente Outro para as novas gerações, a partir de seus contextos culturais e de seus instrumentos mentais e linguísticos. Também não tem poupado energias para reconhecer as falsas e incompletas compreensões e manter-se aberta ao diálogo e ao confronto respeitoso e sincero, carregando em si “aquela estranha mania de ter fé na VIDA”, e Vida em abundância!

É dentro dessa perspectiva maior que a Soter Regional tenta oferecer sua contribuição, a partir de sua realidade, sua experiência, seu contexto cultural, histórico e social. Nesse sentido, apresentaremos, nesta publicação, as principais contribuições de cientistas da religião, teólogos(as), mestrandos(as) e doutorandos(as), pesquisadores(as) e sócios(as) da Soter que participaram do VII Seminário Regional do Centro-Oeste. O tema central e o fio condutor que permeiam a maioria dos textos é a religião e a paz. Sabemos que as religiões possuem suas visões de paz e que ela, a paz, está na pauta dos debates cotidianos. Está também claro que o apoio das religiões e o diálogo entre si é fundamental para a paz no mundo. Mas sabemos também que muitas vezes as religiões podem seduzir e levar seus fiéis a atos de violência, de intolerância e de variados conflitos na tentativa de conduzi-los à “paz eterna”. Será possível que as religiões podem reconhecer seu potencial de paz? Como é que os livros sagrados, suas diferentes interpretações e teologizações têm contribuído para legitimar, naturalizar ou não as injustiças, os preconceitos, as discrepâncias que levam aos conflitos, às intolerâncias e às guerras? As religiões podem transmitir conhecimentos e construir uma cultura de paz e que dê sentido à vida e à história humana? Essas são algumas questões levantadas pela maioria dos(as) pesquisadores(as) a partir de abordagens, olhares e paradigmas diferentes.

Embora a relação entre religião e paz seja o pano de fundo da maioria dos artigos, alguns textos refletem sobre como o sagrado se faz presente nas várias experiências humanas e como se tornam uma dimensão fundamental para fornecer sentido, reestruturar nossas identidades; ressignificar nossas relações cotidianas, nossas esperanças e sonhos, não permitindo que os conflitos sociais, as violências do cotidiano e as estruturas de morte falem mais alto que a vida. E com “essa estranha mania de ter fé na vida” é que acreditamos que um dia “o fruto da justiça será a paz; a prática da justiça resultará em tranquilidade e segurança duradouras. O meu povo, então, passará a morar em ambiente feliz, em residência segura, moradia tranquila, […]” (Is 32,17-18). Enquanto isso não acontece em sua plenitude, colocamos em suas mãos estes textos para que possamos discutir, intensificar o diálogo entre teólogos e cientistas da religião e promover uma busca incessante pela paz em nossa sociedade. Com isso queremos dizer que nossas experiências religiosas só têm sentido se olharem para si de forma crítica, inovadora, disposta ao diálogo, e se colocarem os seus conhecimentos a serviço de uma prática de educação para a paz.

Além dos textos das comunicações científicas do Seminário, que estão distribuídos nas seções ARTIGOS e NOTAS deste número, desfrute também de outras seções fixas da revista, tais como Artes & Literatura, Comunicação e Resenhas. Na seção Comunicação, por exemplo, damos continuidade à série de reflexões sobre O Deus de nossa fé, do teólogo Hermilo Pretto. Por último, desejamos manifestar ao Prof. Dr. Afonso Maria Ligorio Soares nosso apreço e nosso profundo agradecimento pelo trabalho desenvolvido à frente da Soter Nacional na última gestão (2007-2010), ao mesmo tempo que damos as boas-vindas ao atual presidente, o Prof. Dr. Valmor da Silva, que, juntamente com os demais membros da Diretoria, assumiram, desde julho de 2010, a condução de nossa querida Sociedade.

Só nos resta, então, desejar a todos uma boa leitura e um ótimo aproveitamento dos conteúdos!

Dra. Irene Dias de Oliveira, Dr. Valmor da Silva - Editores ad hoc

EDIÇÕES ANTERIORES