Nome da
Editorial

Edição 34 - Ano VII - Abril/Junho 2011 - ISSN 1809-2888
Uma reflexão teológica acerca da religião
02/05/2011

Esta edição de nº 34 de Ciberteologia sai em pleno período quaresmal, já às portas da Páscoa. Com nossos votos de um proveitoso período de recolhimento, reflexão e conversão, oferecemos a nossos leitores de todos os credos e cores mais uma seleção de textos da área de teologia e de ciência da religião, que procuram dosar a preocupação crítica com a renovada esperança em tempos mais solidários e fraternos.

O prof. Getúlio Antônio Bertelli abre a seção de Artigos com o texto Perigosa memória e solidário destino: a contribuição de Thomas Merton e Ernesto Cardenal à espiritualidade da libertação latino-americana. Fruto do recente pós-doutorado realizado pelo autor junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC-SP, o texto apresenta a contribuição que Thomas Merton e Ernesto Cardenal, ambos monges poetas e contemplativos, deram à espiritualidade da libertação, e o que significou para o continente latino-americano na conturbada década de 1960. Também analisa as repercussões atuais daquele contexto.

Igreja líquida: uma leitura da Igreja moderna através do Neopentecostalismo é o título do artigo de Nilson da Silva Júnior. Ele considera a Igreja atual através do movimento neopentecostal, sob a ótica da teoria de Zigmunt Bauman, o qual vê a contemporaneidade como um tempo líquido. O artigo objetiva trabalhar as características da Igreja contemporânea à luz dos conceitos de liquidez e derretimento, assim como são propostos por Bauman. Dessa perspectiva, constata-se como a Igreja perde seus antigos valores motivada pelas leis do “mercado religioso” presente, inaugurado e caracterizado pelos movimentos neopentecostais. Alonso Gonçalves é o autor de Por uma eclesiologia pública: da privatização da fé aos desafios pastorais da Igreja. Partindo da constatação de que a Igreja protestante padece de uma inserção significativa na sociedade brasileira, o artigo procura apontar caminhos convergentes entre Igreja e sociedade. Tomando como ponto de partida a teologia pública, constrói-se um caminho teórico-prático a fim de apresentar propostas para uma eclesiologia pública com mediações pastorais que sejam relevantes para um novo paradigma inevitável na conjuntura teológica: pensar a Igreja e sua relação com a cidade/sociedade.

Fechando a seção de Artigos, dois trabalhos enfocam as relações entre religião e educação na realidade brasileira. Terezinha Sueli de Jesus Rocha e Sérgio Rogério Azevedo Junqueira oferecem-nos o trabalho Educação libertadora e importantes concepções de educação no contexto histórico brasileiro, em que procuram fazer a articulação entre as importantes concepções de educação no contexto da história do Brasil e refletir sobre o pensamento e a ação de Paulo Freire, que trabalhou a educação como meio de emancipação, de libertação através do diálogo, da escuta e da conscientização. Consideram os autores que, no contexto educacional brasileiro, a educação católica libertadora também exerceu papel muito importante nos acontecimentos da época, dando sua valiosa contribuição a fim de que os objetivos de promover o ser humano na sua dignidade fossem alcançados. A relevância deste assunto está no resgate do aspecto dignificante da educação libertadora. O trabalho seguinte, Epistemologia do Ensino Religioso: a inconveniência política de uma área de conhecimento, de João Décio Passos, discute a fundamentação do Ensino Religioso em chave política e epistemológica. Mostra como a legitimidade política antecedeu a legitimidade epistemológica em nítida inversão ao que ocorre no processo regular de institucionalização dos conhecimentos. Enfim, desenvolve o aspecto epistemológico do ER do ponto de vista das bases antropológicas, metodológicas e educacionais da educação do ser humano.

A seção de Notas traz neste número duas reflexões. Alonso Gonçalves oferece-nos o texto Protestantismo e cultura: inserção, dificuldades e propostas. Aí, a partir de um levantamento preliminar da cultura brasileira e da inserção do Protestantismo no Brasil com suas facetas ideológicas, políticas e teológicas, o autor faz apontamentos em torno da cultura e do Protestantismo de missão, procurando demonstrar as principais dificuldades de diálogo e inserção deste ramo do Cristianismo com a matriz cultural e religiosa do país, procurando, ainda, abrir caminhos convergentes com mediações que contemplem o espírito protestante com a cultura. Por sua vez, Rafael Lopez Villasenor traz, no texto Para uma teologia do pluralismo religioso: visão tripartite, uma abordagem da reflexão teológica em torno do pluralismo religioso visando a postura tripartite: eclesiocêntrica, cristocêntrica e teocêntrica. A questão central que tenta responder é: como a reflexão teológica se posiciona diante do pluralismo religioso? Sua hipótese é de que as posturas teológicas variem de acordo com a visão de Igreja.

Além dessas seções, não deixe de acompanhar os textos que, ao longo do ano, alimentarão as seções Artes & Literatura, Teologia Aberta, Resenhas, Espiritualidade e Nas fontes da Bíblia. Na seção Teologia Aberta, damos continuidade à série de reflexões sobre O Deus de nossa fé, uma publicação póstuma do teólogo Hermilo Eduardo Pretto.

Enfim, boa leitura e, mais uma vez, os votos de toda a equipe de Ciberteologia de um feliz tempo pascal a todos!

Dr. Afonso Maria Ligorio Soares (Editor)