Nome da
NOTAS

Edição 58 - Ano XIV - Maio/Dezembro 2018 - ISSN 1809-2888
A pessoa e a misericórdia na Encíclica Laudato SÍ: revendo a cosmogênese Teilhardiana
30/08/2018

Na páscoa de 1955, morria em Nova York o jesuíta, Pe. Pierre Marie Joseph Teilhard de Chardin, com 74 anos. Incompreendido na esfera eclesiástica de seu tempo, tratado como um místico sonhador pelos meios científicos, é reconhecido na atualidade não só como um profeta da evolução, mas também como um dos pensadores mais avançados da comunidade cristã mundial, pois elaborou na primeira década do século XX as suas impressões sobre a concepção crística do cosmo, para inserir o cristianismo no mundo contemporâneo da globalidade, bem como na reflexão sobre os problemas transgênicos do planeta, em um contexto de relacionalidade, dialogicidade e colaboração pelo esforço humano.

Percebemos então que somos passageiros no tempo, e nossa viagem depende do olhar que lançamos às paisagens que nos acercam, onde a reflexão sobre nossas responsabilidades possui um caráter moral e pressupõe o respeito pela pessoa humana, edificando a sua dignidade, mas também participando da atenciosidade com o mundo natural, levando-se em conta a natureza de cada criatura, bem como as ligações mútuas dentro do sistema ordenado que chamamos Terra. Sendo assim, a capacidade do ser humano transformar o planeta deve considerar a doação originária das coisas por parte de Deus Criador, sem se deixar obscurecer pela ganância e pelo poder suicidas.

A Encíclica Laudato si’, publicada pelo Papa Francisco, nos propõe uma sabedoria misericordiosa, fruto de uma reflexão profícua e do diálogo entre as pessoas, para que a humanidade não se perca no acumulo de seus desejos individuais, que resultam na soberba e no relativismo, desenvolvendo uma concepção errática da relação do ser humano com o cosmo, sob uma ideologia de domínio sobre o mundo, que provocou a concepção de que o cuidado ecológico fosse uma atividade para utopistas.

A Sagrada Escritura ensina que cada pessoa é criada por amor e construída à imagem do Criador (cf. Gn 1,26). Esta afirmação nos apresenta a imensa dignidade de cada ser humano, que não é somente algo criado, mas alguém capaz de se conhecer, de evoluir e de se doar em comunhão com seus semelhantes. Pelo fato de serem humanas, as pessoas são movidas a cuidar do ambiente em que vivem, porquanto, os cristãos, pela singularidade da Revelação encarnada que recebem, devem reconhecer que a responsabilidade em relação à natureza e ao Criador são parte integrante e integradora da sua fé.

Enxergamos na Laudato si’ a visão cósmica do padre jesuíta Teilhard de Chardin (1881- 1955), que em sua vida e pregação buscou conciliar a evolução natural e espiritual do ser humano na senda terrena, defendendo a doutrina cristã e derrubando os obstáculos que mantinham afastada a ciência (razão) da religião (fé), mas não apenas em face do mundo acadêmico intelectual, como também para satisfazer uma tríplice exigência: pessoal (do íntimo), categorial (do mundo científico) e universal (de toda a humanidade).

O ser humano implica numa novidade ímpar, em que cada um tem em si uma identidade pessoal, capaz de entrar em diálogo com os outros e com o próprio Deus. Esta capacidade de reflexão que encerra a criatividade, a interpretação e a elaboração artística, entre outras capacidades originais, manifesta a singularidade da pessoa, que transcende o âmbito físico e biológico. A novidade qualitativa que expressa a visão teilhardiana na Laudato si’, implica no aparecimento de um ser pessoal dentro do cosmo, que assim pressupõe uma ação direta de Deus, como chamamento à vida e à relação de um com o outro, onde o ser humano é sujeito, que nunca poderá ser reduzido à categoria de objeto.

Continue lendo no PDF

Data de Recebimento: 18/06/2018
Data de Aprovação: 22/08/2018

Sobre o autor
Márcio Oliveira Elias
Márcio Oliveira Elias

Advogado, Professor de Teologia Pastoral. Bacharel em Teologia, com especialização em Teologia Contemporânea. Atua na formação permanente de agentes pastorais e fiéis leigos na Diocese de Cachoeiro de Itapemirim/ES, s...

Deixe o seu comentário
Editorial
05/05/2018

O número atual de Ciberteologia dedica-se de modo especial ao tema que propôs o titulo do editorial: Medellín e a realidade atual.

  • Artigos
    10/12/2018

    Um estilo bonapartista, claro que no jeitinho bem brasileiro, poderá ser a marca, do governo de Jair Bolsonaro. Seus assessores buscarão forjar a imagem que o consagrou nas urnas. O estilo militar de um homem de poucas palavras, parcos sorrisos, pouco senso reflexivo e de alguém que tem soluções para tudo e a todos...

    12/12/2018

    A reflexão investiga o possível significado atual dos ensinamentos da Conferência de Medellín. Para tanto, distingue, o carisma, o projeto e a tradição contidos no conjunto do evento eclesial. O exercício de discernimento da objetividade textual e do projeto emanados de Medellín se tornam indispensáveis para que se possa beber de seus ensinamentos nos dias de hoje.

    11/08/2018

    A Conferência de Medellín foi a rápida e criativa recepção do Vaticano II no continente latino-americano, onde a reflexão foi orientada para a busca da forma de presença mais intensa como bem diz o tema: A Igreja na atual transformação da América Latina, à luz do Concílio Vaticano II.

    06/08/2018

    Este artigo busca apresentar, refletir, atualizar e popularizar a temática dos relatórios sobre os Religios(VRC) e os Sacerdotes adscritos nas conclusões Finais da II Conferência Geral do Episcopado latino Americano. Para equacionar essa proposta será apresentado uma visão panorâmica sobre a celebração da Conferência e a elaboração de suas conclusões.

    10/05/2018

    O presente artigo visa apresentar como a atuação pastoral de Dom Paulo Arns na Arquidiocese de São Paulo (1970-1988) estava em sintonia com a mudança de concepção missiológica a partir do Concílio Vaticano II, que não se reduz a uma modernização do catolicismo, mas é fruto de uma hermenêutica de volta as fontes na qual se identifica a capacidade do Evangelho em ser moderno.

    16/11/2018

    A Teologia Comunicativa não é uma teologia de gabinete. Ao contrário, originou-se, há mais de 25 anos, da tentativa de Bernd Jochen Hilberath e Matthias Sharer de aplicarem o método de Interação Centrado em Temas da psicoterapeuta alemã Ruth Cohn em programas de formação teológica e educação continuada, atividades pastorais e educação religiosa nas escolas.

    20/06/2018

    Diante de uma dupla e consensual constatação de que a Igreja vive o necessário momento de renovação e que isso reivindica uma desafiadora fase de reformas, de ânimo novo e de um processo de saída, entende-se que a alternativa encontra-se no caminho da sinodalidade. Nele está contida a resposta para um novo e sistematizado momento da evangelização.

    01/12/2018

    O presente artigo apresenta uma reflexão inicial sobre o voto evangélico no candidato Jair Bolsonaro, eleito presidente da República. O texto interroga sobre as relações entre política e religião nesse caso concreto e apresenta os números das opções políticas evangélicas.

  • Resenhas
    15/12/2018

    Resenha: SORGE, Bartolomeu. Breve Curso de Doutrina Social. São Paulo: Paulinas, 2018.

  • Notas
    26/11/2018

    A intencionalidade deste breve artigo é abrir um diálogo com a tese de Doutorado de Célia Maria Ribeiro, intitulada O Espirito do Pastor: A espiritualidade inaciana no ministério do Papa Francisco. A tese oferece informações preciosas sobre a vida, o ministério e a espiritualidade que ilumina ministério petrino de Francisco.

    30/05/2018

    Os fatos aqui comentados não seguem uma ordem cronológica de acontecimentos. São fatos, porém, que mostram como as autoridades eclesiásticas se ocuparam da Santa de Aparecida. Primeiro, para reforçar a tendência religiosa devocional de uma realidade humana que ainda não podia considerar-se povo e buscava sua identidade cultural.